sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Crime e Castigo

Um tempo atrás comentei neste blog minha mania de ler no metrô e que, por causa disso, mesmo quando estou à toa dentro do vagão, sem pensar em nada, me vem à cabeça cenas, passagens e personagens de algumas leituras que fiz. Pois é, isso continua acontecendo, mas percebi que ultimamente uma dessas leituras tem sido bastante recorrente, acho até que pela intensidade da narrativa, cuja força ainda consigo sentir dentro de mim.

Seja como for, as lembranças de Crime e Castigo, do escritor russo Fiódor Dostoiévski, sempre me acompanham nas viagens pelo metrô de São Paulo.

O livro, publicado em 1866, narra a história de Rodion Românovitch Raskólnikov, um jovem estudante de Direito que se sente marginalizado pela falta de dinheiro. No decorrer da trama comete dois assassinatos e se vê perseguido pela incapacidade de continuar sua vida após os crimes.

Crime e Castigo é um romance denso, profundo, perturbador, um verdadeiro ensaio psicológico da alma humana, tendo por base um visão sobre religião e existencialismo com foco predominante no tema de alcançar a salvação pelo sofrimento, lembrando ainda de questões como socialismo e niilismo.

O livro ganhou adaptações para o cinema. A primeira – Crime and Punishment –, em 1998, com direção de Joseph Sargent, tendo no elenco Ben Kingsley, Patrick Dempsey e Julie Delpy. em 2004 foi a vez do brasileiro Nina entrar no circuito, dirigido por Heitor Dhalia e protagonizado pelos atores Guta Stresser, Wagner Moura, Lázaro Ramos e Matheus Nachtergaele. E, em 2005, chegou às telas Match Point, dirigido por Woody Allen e estrelado por Jonathan Rhys Meyers, Emily Mortimer e Scarlett Johansson.

Confesso que não assisti a nenhum deles, então não posso falar sobre esses filmes, mas pelo que li, a crítica foi bastante favorável, sobretudo a Match Point.

Em compensação, li Crime e Castigo duas vezes há um bom tempo, depois de um outro livro do autor, também lido duas vezes: Os Irmãos Karamazóv, um dos meus romances preferidos. A leitura duplicada dos livros de Dostoiévski não pode ter sido mera coincidência, só agora me dou conta disso. Acho que ela fica tão enraizada nas nossas entranhas que sentimos vontade de voltar a narrativa para vivenciar toda a trama novamente.

Do autor ainda li Sonho de um homem ridículo, mas ao contrário dos outros dois, o li apenas uma vez, mas já estou morrendo de vontade de fazer uma releitura desse livro, cuja narrativa é permeada de reflexões filosóficas, bem ao estilo Dostoiévski.

Enquanto não me aventuro, continuo seguindo pelo metrô com minhas lembranças recorrentes de Crime e Castigo. Acho que a extraordinária história que o autor nos apresenta é o mote para fazer com que minha mente esteja em constante movimento. Penso que isso talvez tenha mais ou menos a ver com aquilo que Dostoiévski quis dizer em uma das passagens do livro:

"Os indivíduos se dividem em duas categorias: os ordinários e os extraordinários. Os ordinários são pessoas corretas, que vivem da obediência e gostam de ser obedientes. Já os extraordinários são os que criam uma coisa nova, todos os que infringem a velha lei, os destruidores. Os primeiros conservam o mundo como ele é. Os outros movem o mundo para um objetivo..."

4 comentários:

  1. adoro a literatura russa,mas é um crime eu ainda não ter lido esse livro...
    beijos querida e obrigada mais uma vez por nos trazer coisas tão boas! viva a boa literatura !

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Não viu os filmes mas leu duas vezes os livros. Também sou assim, prima. Li Guerra e Paz, comprei o filme há seis meses e ainda não vi. Ter o livro na mão, caminhar com ele, colocá-lo na maleta, ler na praça, perceber a nuance das letras, a textura das folhas, sentir seu cheiro, tudo isso é mais que uma história. E a profundidade, mesmo tendo diretor muito bom, nunca o assunto terá o espaço para aprofundar como no mundo das letras. Dias atrás um casal de amigos me viu no shopping, estava lendo enquanto a Aninha brincava no parque, disseram que estava hipnotizado, minha atenção era total para a história. Ler é isso e muito, muito mais!

    ResponderExcluir
  4. Oi,Cecília.Muito legal o seu blog,gostei.
    Eu comprei o livro Crime e Castigo ontem,já comecei a leitura.Espero que seja um bom livro,visto que só vejo bons comentários sobre o mesmo.Tenho a estranha mania de ler vários livros ao mesmo tempo...vamos ver em quanto tempo finalizo a minha leitura.
    Um abraço.

    ResponderExcluir